2.2.07

Um pedaço de ferro num pedaço de carne

Uma guerra como a do Iraque, assistida apenas pela televisão, produz os mais perversos efeitos sobre o pensamento humano. Embora a guerra nos seja comunicada todo dia, inclusive de forma ilustrada, dela sabemos muito pouco, quase nada.

Sabemos que os alvos são “apenas” militares. Mas não sabemos o que são alvos militares. Alvos militares são: estradas, pontes, fábricas, linhas de trem, portos, aeroportos, hidrelétricas, linhas telefônicas, refinarias de petróleo. O objetivo militar é, portanto, destruir tudo o que possibilita a construção de uma existência comum entre os homens.

Como nos esquecer, por exemplo, que foi ali, entre o Tigres e o Eufrates, que o ser-humano pela primeira vez começou a escrever? Simples, “informe-nos diariamente sobre a guerra, que nos esqueceremos disto”.

Pois um outro importantíssimo alvo militar, que os meios de comunicação nos esquecem de contar, são os próprios meios de comunicação. Escuta.

Eis no que se transformou uma emissora de rádio iraquiana depois que foi invadida pelo exército americano. Talvez a locutora nem tenha sido estuprada, mas é como se tivesse sido.

2 comentários:

Anonymous glaura escreveu:

parece mensagem cifrada.
vá em:
http://tempestadeemceuazul.blogspot.com/2007/02/sobre-um-mapa-em-papel-carto.html

17:26  
Anonymous glaura escreveu:

parece mensagem cifrada.
vá em:
http://tempestadeemceuazul.blogspot.com/2007/02/sobre-um-mapa-em-papel-carto.html

17:26  

Postar um comentário

voltar